Grito!

Aquele não dito

Por vezes maldito

Do santo par – tido.

O que vem de dentro

Que te sufoca,

Que traz somente lamento.

Escondido

E na sua quietude,

Ainda Destemido!

O grito nas escritas,

No som

De palavras sofridas.

Aquele que te consome

Te transforma em “lobisomem”,

Esperando aquele que tem fome!

Grito de corações

De perda,

De lindas e tristes emoções.