Amizade

Essa palavra tem tido um significado tão peculiar nos dias de hoje, que escrever sobre ela não é tarefa fácil.

Nunca fui de muitos amigos.

Sempre muito reservada, tive uma infância bonita mas a timidez me restringia a poucos amigos.

Então cresci, fazendo poucos círculos de amizade e honestamente falando sempre fui muito criteriosa pra isso.

Hoje, aos 48 anos já passei por algumas fases difíceis vida e posso dizer que a amizade de pessoas mais próximas fizeram a diferença em alguns momentos.

Hoje, longe da família de origem, num país diferente e enfrentando a pandemia assim como todos do planeta, essa palavra “amizade”, passou a ter um valor ainda mais importante pra mim.

Curiosamente aqueles que me eram mais próximos estão mais longe. E aqueles que percorreram caminhos distintos, se aproximaram. Eu também me aproximei.

Tenho um bom ou mal hábito de ser uma pessoa que me preocupo com todos de uma forma geral. Altruísmo? Acho que não chega a tanto não. Se fosse não sentiria falta dos que se afastaram. Não esperaria ser retribuida. Rsrs.

Mas acredito que as atitudes podem fazer a diferença na vida. No mundo. A amizade verdadeira pode levar um abraço, um sorriso, um abrandamento de sofrimento, de confinamento.

Vale a pena “perder” o precioso tempo e fazer uma ligação. Uma vídeo chamada. Reestabelecer laços. Rir. Chorar!

Perdoar e ser perdoado!

Tempo nesse momento é o que todos nós mais temos!

Usar a sabedoria para aproveitá-lo, pode ser uma mais valia em tempos de quarentena, em tempos de isolamento social, em tempos onde a “distância” não tem apenas um papel coadjuvante.

A distância literalmente virou protagonista alcançando todas as dimensões possíveis e jamais imaginadas.