Pai!

Ele,

Que nos ensina,

E apenas com os olhos,

As vezes nos reprime.

Ele,

Que não precisa gritar,

Pois sua voz firme,

Sabe colocar limites e nos fazer parar.

Ele,

Que com sua força,

E suas mãos,

Nos doa diariamente o seu coração.

Ele,

Que as vezes não tem tempo,

Que com aquele “tapinha” nas costas,

Consegue transformar e fazer do carinho, algo que paire no vento.

Ele,

Que é herói,

Que nos faz sempre repensar,

Naquilo que dói.

Ele,

Que brinca com a verdade,

Diz verdades brincando,

E com o maior dos sorrisos, mostra sua terna bondade.

Ele,

Que com seu jeito de bravo,

E as vezes fechado,

Contagia e sempre traz muita alegria.

Ele,

Que é provedor,

E que sem dizer nada,

Com delicadeza, sabe como tirar a dor.

Ele,

Que com sua perspicácia,

Traz harmonia à nossa casa,

E de forma tão “sublime” e serena,

Sabe como dizer Adeus!”